JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

«

»

Set 12 2016

Imprimir Artigo

Azeitão Inclusivo nº 5 – UMA REDE DE PAIS PELA INCLUSÃO

Azeitao_Inclusivo Logo

Divulgamos aqui o número 5 da rubrica “AZEITÃO INCLUSIVO” , publicado na edição impressa do Jornal de Azeitão de Setembro de 2016, com o título” UMA REDE DE PAIS PELA INCLUSÃO” agradecendo às nossas convidadas, a Coordenação do Núcleo da Margem Sul, da Associação PAIS EM REDE (P-e-R) , o “tempo inclusivo” que nos dispensaram….vamos então fazer parte  desta” REDE DE PAIS PELA INCLUSÃO”? Aqui fica a entrevista, na íntegra:

“UMA REDE DE PAIS PELA INCLUSÃO

A imagem ilustra a publicação do artigo, no jornal de Azeitão de Setembro de 2016, com o título" UMA REDE DE PAIS PELA INCLUSÃO"

A imagem ilustra a publicação do artigo, no jornal de Azeitão de Setembro de 2016, com o título” UMA REDE DE PAIS PELA INCLUSÃO”

O Jornal de Azeitão tem o prazer de partilhar com todos os seus leitores, o número 5 da rubrica “AZEITÃO INCLUSIVO”. Nesta edição, recebemos com agrado, a Coordenação do Núcleo da Margem Sul, da Associação PAIS EM REDE (P-e-R). Temos na nossa companhia Paula Garcia (Esteticista), Ana Martins (Psicóloga), Augusta Jerónimo (Professora de Música), Cristina Oliveira (Técnica Superior de Educação Especial) e Gracinda Vilaça (Professora de Educação Especial).

A imagem ilustra as nossas convidadas Da esquerda para a direita : (Sentadas): Ana Martins, Augusta Jerónimo e Cristina Oliveira . (Em pé): Gracinda Vilaça e Paula Garcia.

A imagem ilustra as nossas convidadas.

A PeR existe, a nível nacional desde Novembro de 2008 e tem, entre outros, o objetivo de criar uma rede de pais por todo o país, apoiada por familiares, técnicos e voluntários, que zelam pela inclusão da pessoa com deficiência. Saiba mais em : http://www.paisemrede.pt .

Quando questionadas sobre a forma como surgiu o núcleo da margem sul e as necessidades que vem colmatar, Paula Garcia (Coordenadora do núcleo) refere que: “Após a realização do 1º GAE (Grupo de Apoio Emocional) em Almada entre Maio e Agosto de 2014, alguns elementos do grupo sentiram a necessidade de dar continuidade a estas reuniões e em conjunto tentarmos encontrar soluções para podermos dar aos nossos filhos um futuro mais equilibrado e adaptado às necessidades de cada um (…). Contatámos o Centro de Desenvolvimento da Criança Torrado da Silva (Hospital Garcia de Orta) que prontamente se disponibilizou a colaborar connosco, cedendo as instalações para a Sede do Núcleo“, que existe formalmente desde 18 de Abril de 2014, tendo até ao momento, promovido acima de tudo, ações de sensibilização e apoio aos pais.

O primeiro “momento marcante” do processo inclusivo é aquele em que a pessoa com deficiência e / ou a sua família recebe a notícia! Segundo Cristina Oliveira (mãe de um menino com um atraso global de desenvolvimento): “Foi muito difícil, um balde de água fria (…) perceber que o meu filho não era uma criança igual às outras…, fiz uma grande caminhada (…). Sendo eu técnica, trabalhando com os outros pais, dando-lhes esperança, quando me vi na mesma situação, foi muito difícil (…) diria que o facto de eu ser também técnica, ajudou 50%, no meu processo de aceitação”.

Ao lado dos pais, durante todo este percurso inclusivo, estão os técnicos, que tal como afirma Gracinda Vilaça: “são parceiros, neste projeto inclusivo”, lidando de perto com os “medos e tabus”. Como afirmam Ana Martins e Cristina Oliveira: “o maior tabu é a sexualidade. O aceitar do que estes miúdos podem ter”. Existe sempre, nas famílias um grande sentimento de “superproteção”. Paula Garcia (mãe de um menino com Síndrome de Angelman), refere: “Nós mães temos um grande defeito, querendo tanto ajudar, não lhes damos tempo para fazerem sozinhos”.

Na alteração de mentalidades, na sociedade civil, tal como afirma Ana Martins: “o papel da família é fulcral. É necessário que as famílias saibam que o é, para que isso aconteça. Mas devem ter a seu lado, técnicos que as ajudem a acreditar naquela pessoa (familiar com deficiência) e neles próprios… . Não é fácil encontrar técnicos que o façam e confiram à família o seu real papel ativo”. Segundo as nossas convidadas, a sociedade civil ainda vê a deficiência como uma “coisa muito bonita, mas, é longe da minha porta”.

Pedro Dias

azeitaoinclusivo( @ sign)pedrocvdias.pt

Juntos somos mais pela inclusão da pessoa com deficiência!!

Conheça, em pormenor, todos os números, já publicados, na rubrica “AZEITÃO INCLUSIVO” .

Marca “Pedro Dias – Uma Vida,Um Projecto!”

12 de Setembro de 2016

Conteúdo Relacionado

Print Friendly, PDF & Email
Partilhe nas Suas Redes Sociais Favoritas:

Link permanente para este artigo: http://www.pedrocvdias.pt/azeitao_inclusivo_5/